Danço Congo

Vera Cruz

Duas ou três dúzias de intérpretes em cena, incluindo músicos e figurantes, que com os sues instrumentos – actualmente todos de percussão – fazem vibrar tudo e todos a sua volta. Um quintal ou uma praça, espaço apropriado para o momento do espectáculo, desprovido de cenografia – desnecessária por causa da expressividade dos actores e da imaginação dos espectadores.

O danço congo ou danço, como é designado nas ilhas, é uma dança dramática santomense, exuberante em cores, sons e movimentos. Conta a história de uma roça e da luta pela sua propriedade ou, numa outra versão, a luta pelo tesouro escondido. Uma história em que o real se mistura com o sobrenatural de forma verdadeiramente genuína. Uma manifestação cultural muito singular, cujas origens se desvaneceram nos meandros do tempo, mas que continua viva em São Tomé e Príncipe. É provável que seja uma das poucas manifestações culturais santomenses que não tem influências europeias e poderá ter surgido nas ilhas, criada por seus habitantes nativos, crioulos.

Magdalena Bialoborska, 2019